Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

26/06/17

O Cavalheirismo (Imposto) na Actualidade

por Olavo Rodrigues

O cavalheirismo sempre foi um conjunto de convenções sociais que levam os homens a adoptar determinadas atitudes de gentileza para com as mulheres como uma forma de demonstrar educação, afecto e gosto em agradar à pessoa de quem gostam. Assim como as mulheres tinham e ainda têm obrigações sociais, as regras do cavalheirismo eram as dos homens. 

No entanto, os tempos mudaram e as superficialidades sociais, felizmente, têm vindo a cair. Os direitos de cada género têm-se aproximado cada vez mais, o que para o gáudio dos progressistas é uma excelente notícia. Como é do conhecimento geral, o movimento que tem providenciado esta evolução de mentalidade é o feminismo, ao qual, hoje em dia, aderem mulheres e homens. Mas o que quer dizer ser feminista? Na minha percepção significa defender a igualdade absoluta entre os dois sexos, continuando deste modo a erradicar formas de pensar antiquadas e, é precisamente acerca deste tópico, que quero escrever. 

Já tinha abordado um tema relacionado com o machismo, mas agora é a vez do seu antónimo cujo nome não sei, já que "feminismo" é a definição do movimento progressista. 

Eu concordo com a existência do cavalheirismo desde que não seja imposto. Do meu ponto de vista, há uma diferença entre o cavalheirismo e a subjugação. Vamos a um exemplo:

Há uns dias estava a jogar Habbo, um jogo de convívio virtual, e encontrava-me na companhia de uma rapariga. De repente, ela disse-me:

- Tenho sede. - Não me ocorreu nada melhor e mais acertado para lhe responder que:

- Bebe água. - Frustrada, atirou:

- Eu esperava que você fosse pegar para mim, mas já vi que não você não é um cavalheiro. Tchau! - E foi-se embora.

Num jogo virtual é tudo muito teatral sem dúvida, contudo, estou em crer que esta atitude pode ser transposta para a vida real, visto que existem mulheres que pensam assim, que acham que os homens devem certas mordomias ao sexo femininio por uma pura e simples questão de educação da parte deles. Todavia, se se prega que ambos os sexos têm os mesmos direitos e as mesmas obrigações perante a lei, bem como em relação um ao outro, então, alguns hábitos do sexo masculino que agradam às mulheres não deviam deixar de ser praticados enquanto obrigações?

Aquela rapariga quase me disse: "tu deves-me esse favor pelo simples facto de eu ser uma senhora". Se eu tivesse acedido ao que ela queria sem hesitar, na minha mais sincera opinião, não estaria a ser educado, mas sim demasiado submisso. Só estaria a ser simpático se eu tivesse ido buscar água para mim (embora virtual) e lhe tivesse levado um copo também. Se bem que perguntar-lhe se o desejava seria ainda mais adequado. 

Uma das normas do cavalheirismo imposto que menos me faz sentido é a que dita que os homens devem pagar a conta das refeições. Não concebo que uma pessoa acredite que alguém é obrigado a oferecer-lhe algo. Porque haverá de ser assim? Quando alguém dá um presente, fá-lo decerto por iniciativa própria e não porque o/a receptor/a lho exigiu.

O mesmo raciocínio pode ser aplicado no contexto do cavalheirismo. O homem não deve nada à mulher e, ainda para mais, apenas por ser uma mulher, portanto, esperar que ele pague a conta não é um apelo à sua boa educação, mas sim um acto de egoísmo

O que a meu ver é correcto e, isso sim, é o homem oferecer a refeição somente porque o seu coração lhe diz que quer fazê-lo, porque adora a pessoa com quem está a partilhá-la, porque nada o poria mais contente que arrancar-lhe um sorriso com esse gesto de amabilidade. Pretender parecer bem socialmente só vai aumentar a sua ansiedade no encontro e provocar-lhe um sentimento de culpa, caso não consiga cobrir todo o gasto. 

O único motivo para se dar o quer que seja tem de ser o de gostar de agradar. Deve-se pagar uma refeição a uma companheira romântica com a mesma disposição com que se paga a um amigo ou a um familiar. Isto é que é cavalheirismo genuíno e contra tal não tenho nada a argumentar, muito pelo contrário. 

Aliás, defendo também que se um homem nunca quiser pagar nada, que se não fizer o mínimo esforço para mostrar alguma simpatia (não necessariamente material) e não mimar a parceira de vez em quando, então, provavelmente, não falhará apenas no que diz respeito ao cavalheirismo, mas também no campo emocional, fazendo a mulher sofrer com certeza. 

Eu tenho noção de que o grosso do sexo feminino não pensa desta forma, pois, afortunadamente, as mentalidades estão a evoluir. Hoje em dia já existe de tudo, incluindo pessoas do sexo feminino a pagar as contas por completo ou a meias, o que não está nada mal. Corrijam-me, por favor, se estiver equivocado, contudo, há até mulheres que se sentem ofendidas quando se lhes oferece a sua parte da conta coberta, dado que o interpretam como uma insinuação de que dependem do dinheiro do homem. 

 Ainda assim, achei relevante escrever acerca deste tema, visto que, como em todos os movimentos, o feminismo tem bons e maus seguidores. Há mesmo extremistas que pretendem a submissão total do sexo masculino. No caso aqui descrito, não se chega tão longe. Não penso de todo que as mulheres que crêem que é responsabilidade do homem pagar a conta sejam, obrigatoriamente, tiranas sem consideração, porém, se há uma mudança de mentalidade a decorrer, há que aceitar tudo o que a mesma envolve. 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Estatísticas Detalhadas

UA-77383280-1

Arca

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por correio electrónico

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.