Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

06/02/16

A Atlântida - O Fim (1)

Sobre o término deste grandioso continente, só posso providenciar uma teoria que faz sentido ligar-se a outra. Uma suposição sugere que o fim da Atlântida foi causado pela penetração do mal nos corações dos seus habitantes quando o número de pessoas mal-intencionadas atingiu a maioria. Vejamos então o que as fez mudar de ideias.

Quando os ex-lemurianos ocuparam os espaços energéticos criados pelos Mestres Ascensos, deixaram dois totalmente vazios, isto porque os ditos se ligavam a duas habilidades espirituais que ainda não dominávamos. Por esta razão, foram preenchidos por dois povos extraterrestres. Não um, mas dois completamente diferentes.

Os primeiros foram os hebreus, originários do nosso futuro, porém não se sabe de que planeta vieram. Este povo era mais ou menos como um grupo de miúdos da escola que chumbaram o ano e tiveram de o repetir. Possuíam um grande conhecimento tecnológico, mas o nível de consciência deixava um pouco a desejar, por isso, foram obrigados a melhorá-lo antes de serem aceites. 

Os hebreus contribuíram positivamente para a Atlântida com conhecimentos masculinos (matemáticos, tecnológicos, e.t.c), dos quais os atlantes não estavam cientes e fizeram-nos evoluir nesse aspecto. A avaliar pela informação, podemos afirmar que estes dois povos se ajudaram mutuamente.

No entanto, a segunda raça que se instalou fez precisamente o oposto, prejudicando-nos em grande escala. Por muito típico de filme de ficção científica que isto aparente ser, a verdade é que a teoria refere que os invasores vieram do nosso vizinho planeta Marte. Há pouco menos de um milhão de anos, o mencionado corpo celeste era incrivelmente idêntico à Terra, tinha continentes cheios de verde e oceanos lindos.

Contudo, infelizmente, uma desgraça aconteceu-lhe - a Experiência de Lúcifer. O que é sempre certo é que quem nos criou deu-nos o fantástico livre-arbítrio e ninguém é obrigado a pertencer à unidade espiritual comum. Normalmente somos levados a acreditar que Lúcifer é o símbolo do mal e que há um atentado constante contra o bem. Não é nada disso.

Diabo, sinónimo de Lúcifer descende da palavra grega daemon, que significa a dualidade do Homem. Ou seja, a entidade maligna que assombrava ou ainda assombra alguns indivíduos está em todos nós, é o lado mau com que escolhemos ou não conviver.

E é isso mesmo de que a Experiência de Lúcifer se trata: de uma percepção baseada na dualidade, enquanto o que se quer na unidade comum é uma visão unida, onde não há bom nem mau, mas sim diversidade. Existe inclusive uma Flor da Vida para esta perspectiva, mas este é um tema à parte.

Normalmente, quando uma espécie adere à Experiência de Lúcifer separa-se do amor, tornando-se assim puramente racional, egoísta e bélica. Por culpa destas características, os marcianos destruíram a atmosfera do seu planeta e praticamente toda a vida nele residente. Ficaram à mercê da morte causada pela escassez de recursos, portanto, um refúgio era urgente. 

Para nosso azar, creram que a Terra seria a nova casa ideal, tendo-nos descoberto através de uma Merkaba sintética a 60 000 anos no nosso passado. 

Na Antiguidade dizia-se que a Merkaba era a "carroça da ascensão". Trata-se de um campo de energia ao redor do corpo em forma de estrela tetraédrica. Textos antigos de todo o mundo fazem referência a isto.

transferir.jpgA Merkaba não é só um utensílio energético, como também faz parte de nós. Ao ser activada, dá-nos a capacidade de concretizar o que é aparentemente impossível, como viajar através de dimensões e pelo Universo.

Porém, por fazerem parte da Experiência de Lúcifer, os invasores não possuíam uma natural, pelo que tiveram de conceber uma artificial. Para tal, construíram pirâmides tetraédricas (lição 10 da Spirit Science acerca deste tópico. Aconselho-vos a ver primeiro a lição 6).

Construíram pirâmides de três, quatro e cinco lados de modo a criar uma ligação entre elas que gerasse a Merkaba. Avistaram o vórtice vazio, completamente desabitado e sem qualquer pedido de permissão, entraram e influenciaram significativamente o nosso percurso evolutivo.

 

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=4x3Fn7F-Qbk

 

 

 

 

 

2 comentários

tagarela mais

Mais sobre mim

imagem de perfil

Estatísticas Detalhadas

UA-77383280-1

Arca

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por correio electrónico

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.