Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

15/07/16

Os Narradores

Os Narradores, estas criaturas tão invulgares e discretas, nunca vão de modas e insistem em prender a nossa atenção sem quererem saber da ocasião porque sabem que convencem sempre uns quantos. 

Armam-se em flores esbeltas que atraem abelhas sempre dispostas a transformar o pólen em mel inigualável, o qual serve para encher o depósito das canetas e esvaziar a alma dos contadores de histórias. 

No fundo, são os mensageiros mais eficientes de que há conhecimento. São-no, pois não possuem fisicalidade, fluem livremente em forma de letras e vão pincelando 1001 mundos à sua passagem.

E as estrelas que eles contam! Têm um brilho especial. Enquanto descemos a subir na sua direcção, sentimo-lo gradualmente mais forte, como se os astros quisessem que nos demorássemos no conforto irresistível das suas entranhas.

É melhor que apanhar banhos de sol na praia, pois por muito intensa que seja a luz da estrela, saímos de lá mais iluminados e sem um único escaldão.

Pior é quando acaba a cola e as letras resmungam para se juntar. Nós bem tentamos convencê-los a ficar mais um pouco como se fossem carros na reserva, mas não é a mesmíssima coisa. Eles têm de voltar ao estado abstracto para recarregarem.

Desejando terminar bem, quero deixar aqui um apelo... Não, dois! Há muitos narradores por esta existência fora e eles são tão simples, genuínos e incríveis, que a única coisa que pedem é que sejam ouvidos. Bom, ninguém gosta de ser ignorado, não é verdade? É tão verdade como gostarmos que os outros estimem os nossos pertences com o mesmo carinho que lhes damos.

Portanto, por favor, evitem estragar as palavras que eles tanto prezam.  

02/07/16

Das Aparências

Assisti recentemente ao canal "OnisionSpeaks", no qual o narrador partilha as suas opiniões sobre alguns temas. De certo modo, é chocante e talvez incómodo para algumas pessoas devido à sua expressão agressiva.

No entanto, os dois vídeos que visualizei estavam muito bem argumentados e desenvolveram uma estrutura inteira para uma crónica minha sobre os respectivos tópicos. 

Falavam ambos da beleza rácica. O primeiro abordava o porquê de as mulheres negras não serem consideradas atraentes e o segundo, todos os tipos de seres humanos em geral.

Quer num, quer no outro, o rapaz esclareceu que é totalmente desprovido de sentido fazer este estilo de comparações, dado que existe um pouco de tudo em tudo. Adicionou também que as mesmas comparações eram demonstrações de puro racismo. Não podia estar mais de acordo.

A Mãe Natureza não criou nada que fosse incondicionalmente subalterna a outra coisa, pelo que partir do princípio que algo ou alguém é sem dúvida inferior a nós, denuncia claramente a desarmonia desses determinados indivíduos perante o delicado equilíbrio da Existência.

Segundo a minha teoria, a qual referi na obra "Banho de Maionese", o conceito de beleza torna-se monótono quando restrito a um único objecto de avaliação. 

Se Hitler tivesse alcançado o êxito e criado a "raça perfeita", o carisma da humanidade teria sido erradicado, sucedido complementado pela educação baseada no ódio. A "raça perfeita" começaria a cair no abismo brevemente, pois ninguém se sente bem sem variedade. Esta é uma das razões principais por que detestamos rotinas.

Isto levou-me a reflectir sobre a consideração que as pessoas possuem pelo aspecto singular de cada um e como elaboram as suas reacções. No meu ponto de vista, o primeiro critério a ter em conta é aquele que toda a gente menciona e que está correctíssimo: "no final, o mais importante é a nossa maneira de ser". 

Contudo! Não esqueçamos que o ser humano é semi-racional. Se o fôssemos em pleno, estaríamos ao nível dos vulcanos de "Star Trek".  É por ainda integrarmos uma parte primitiva que existem fobias, que por vezes agimos sem pensar e que, penetrando no tema do texto, sentimos atracção física. 

Não vale a pena negar, não há ninguém neste planeta que já não tenha feito esse juízo de valor. É cruel? Sim. É errado? Sim, mas o seu grau de gravidade depende de como é aplicado.

Eu acredito que a consciência colectiva está a ascender, qualquer sujeito com dois dedos de testa não faz questão de catalogar todas as pessoas que vê. Acontece que a humanidade possui esta particularidade constante de precisar de nomes e adjectivos para compreender tudo, porém, atenção à moderação. 

Ninguém necessita de saber que alguém o acha feio. E por que lho diria? Como raio é que isso contribui para a felicidade do observador? Evitem comentários do género: "que aborto!" ou "cancro ambulante". Há limites para a liberdade de expressão, mesmo que a pessoa não saiba. É de um ser humano que falamos.

Às vezes, somos mais cruéis para nós próprios do que para os outros. Na adolescência, então, pode ser de chegar à insanidade. Eu pessoalmente, aprendi até a rir-me disso. Como muitos jovens da minha idade, já fui discriminado pelo meu aspecto (felizmente, não amiúde), mas já aconteceu. 

No início magoa sempre, claro que sim, porém, o segredo é não preservar a ferida a longo prazo. Supunhamos que existem três grupos dentro desta matéria (lá estão os rótulos a escapar outra vez):

Há os que nasceram com o dom de deixarem os seus pretendentes cair para o lado, temos os charmosos irresistíveis e por últimos, mas não menos importantes, as caixas de papelão seladas: primeiramente, não regalam a vista, contudo, depois de as abrirmos, o coração delira!

Eu pertenço à terceira equipa e honestamente, não me incomoda nada, dado que tenho outros atributos que de certeza não trocaria por uma carinha laroca. Aliás, a minha fealdade visual proporcionou inclusive bons momentos em família. O meu tio paterno costumava chamar-me Topo Gigio.

Isto não significa que eu goste ou permita que me chamem feio, ninguém deve permiti-lo. No entanto, não é saudável massacrarmo-nos com isso ou não aceitar nenhum tipo de crítica, convém também distinguir uma brincadeira de uma ofensa.

Para alguns não é fácil e eu careço um pouco deste discernimento, vai-se aprendendo a ganhá-lo. 

A propósito, apoio a 100% os corajosos que ousam contrariar quem os julga feios, nós somos o que quisermos (desde que não recorramos ao egocentrismo, obviamente). De facto, eu creio que de certa maneira, talvez os menos atraentes tenham mais facilidade em acertar no/a tal. 

Há uns anos assisti ao filme "Capitão América", no qual o protagonista se alistou no exército embora o seu corpo não fosse o mais adequado para o trabalho. Num determinado ponto da trama, ele perguntou a um dos seus superiores: "eu sou uma nódoa nisto, por que me aceitaram?". Respondeu o outro: "porque os fortes não conhecem a compaixão, nunca precisaram dela". 

Ou seja, por levarem cacetadas da sociedade, é possível que as caixas de papelão não sejam tão cáusticas e agarrem o coração do pretendente de uma forma mais rápida. A acrescentar a esta teoria, o aspecto físico é totalmente moldável. 

Possuir beleza ou charme tem a sua parte divertida, não duvido, mas por outro lado, também deve ser muito chato, especialmente para o sexo feminino.

Eu sendo homem, consigo compreender que é frustrante haver sempre uma dúzia de fulanos atrás das mulheres que não estão dispostos a ir mais longe que uma "dança". Quer dizer, nada contra o sexo ocasional, mas o outro pilar também necessita de mimos.

Há quem se sirva da sua aparência apenas para "encaixar" uma ou duas vezes numa semana e que depois disso, passe ao/à parceiro/a seguinte. Actualmente, tal situação verifica-se em ambos os géneros, pois agora as mulheres estão mais atrevidas.

Enfim, esses indivíduos sentem-se vazios após muitos/as interacções e não percebem logo porquê. Ser bonito/a, como qualquer outro dom, requer pés e cabeça. 

Em suma, o Universo nunca nos concebe mal, não nos dá é um feitio de produto de fábrica. Quanto à humanidade, cabe-lhe ter amor próprio e ao próximo enquanto sossega o bicho desmiolado que não consegue manter a matraca fechada para sempre. 

 

Vídeos de "OnisionSpeaks":

1º  - "Why Are Black Women Considered Unattractive?" - https://www.youtube.com/watch?v=V6LgHrXWfL4

2º - "Which Race Is The Most Attractive?" -  https://www.youtube.com/watch?v=PdZB_wPK9hE

 

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Estatísticas Detalhadas

UA-77383280-1

Arca

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por correio electrónico

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.