Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

Toca do Coelho

A mascar o pensamento à sombra calma da luz irrequieta.

30/09/15

As Letras...

por Olavo Rodrigues

As letras são pequenos bichos inteligentes, excelentes animais de estimação. Sabem todos os truques e mais alguns e tudo o que tenho de lhes dar não são biscoitos, mas sim paixão. Sempre que têm a barriga cheia deste ingrediente, deslizam melhor que a manteiga.

As letras são amigas do peito, porque são muito ligadas ao Coração. Traduzem tudo o que ele diz quando o Cérebro não o percebe e vice-versa

As letras são umas das minhas melhores, amigas, a versão visual da minha alma. É a elas que confesso tudo sem me preocupar, pois tenho-lhes muita confiança. Se eu não quiser que elas digam alguma coisa ao mundo, não se agrupam em palavras. Ponto.

Há bastantes tipos de letras, uma grande biodiversidade. Há as vaidosas que só falam de moda, as intelectuais que falam de política, ciência e afins, as viajantes que percorrem todo o mundo e adoram contar as suas aventuras, as desportistas que se encharcam de suor para conseguir o melhor texto sobre desporto, as gulosas que só pensam em comida... Bom, fiquemos com estes exemplos porque se continuar, a publicação nunca mais acaba.

Todos os textos têm um fim, mas a magia das letras não. Espero que continuem o bom trabalho durante muitos e muitos anos... Pelo menos até inventarem chips de comunicação mental.

29/09/15

Energias Feminina e Masculina

por Olavo Rodrigues

Independentemente do nosso género, todos temos estas duas qualidades de energia dentro de nós - a feminina e a masculina. Há mais, mas concentremo-nos nas que aqui são mencionadas. Os seus nomes bizarros devem-se à associação à anatomia humana. 

Se repararmos o corpo do homem é muito recto enquanto o da mulher é mais curvo. E assim fluem os tipos de energia conforme o estilo de corpo a que estão ligadas. A sua localização é o cérebro, estando a energia masculina no lado esquerdo e a feminina no direito. Ambos possuem o mesmo nível de força, cada qual com as suas características. 

Quero aproveitar para frisar que apesar de a orientação sexual estar ligada a estas energias, não é uma parte fundamental das ditas. 

 

Masculina:

Contém a nossa concentração e determinação. É analítica, estratégica e correcta, procurando sempre fazer tudo com máxima qualidade. No entanto, não gosta de ser contrariada e só vê o caminho que considera melhor, bem como as partes das situações.

 

Feminina:

Tenta constantemente pensar fora da caixa, é criativa, expressiva, sentimental e ao contrário do seu oposto, a sua mente é muito aberta.

Ao ser destabilizada, abandona o seu estado pacato natural, entrando num furacão de sentimentos. Além do mais, a sua criatividade torna-se também disfuncional. Quanto à percepção das situações, observa o todo. 

 

O objectivo da abordagem deste tema é alertar o mundo para o perigo espiritual que estamos a atravessar e que se alguns hábitos não forem mudados, tais erros vão manter-se durante muitas décadas.

O mundo actual desenvolve demasiado a energia masculina em comparação com a feminina. É por esta razão que ninguém se entende.

Todos os dias aparecem na televisão muitas guerras, buracos financeiros, discussões políticas que acabam num beco sem saída... Se apostarmos mais no equilíbrio, a nossa mente abrir-se-á e as dificuldades serão resolvidas mais facilmente. 

Lembram-se de ter falado da transmissão de bons valores de geração em geração? Vamos encaixá-lo neste tema.  

As crianças são seres naturalmente mais femininos - são criativas, inocentes e têm energia para expressar as suas ideias e sentimentos de diversas maneiras. Contudo, o nosso ensino, que usa excessivamente o lado esquerdo do cérebro, bombardeia-as com quantidades astronómicas de energia masculina. 

Passam a maior parte do dia na escola, levam imensos trabalhos de casa para fazer e agora devido às novas tecnologias, quase não brincam. O pior é que os pais alimentam isto para compensar o tempo que não podem oferecer, isentando assim os miúdos de moralidade.

Uma mentalidade esmagadoramente masculina porá na ribalta o egoísmo, a violência e a desunião. Sendo o ser humano um animal social, não prosperará muito comportando-se desta forma. 

Creio que para invertermos a tendência, podemos começar com coisas pequenas. Em vez de darmos à nossa descendência uma consola ou um telemóvel para as mãos aos cinco, seis ou sete anos, seria melhor incentivar a criatividade desde bem cedo, mesmo que não falem fluentemente. 

Uma ou duas histórias ao deitar são perfeitas. Um relato cheio de aventuras é óptimo para a imaginação e ajuda o desenvolvimento da linguagem. Aliás, ao adquirirem o gosto pelas letras, eles próprios terão a iniciativa de ler e provavelmente, de escrever. Porém, não sejam precoces, tudo tem o seu tempo, alfabetizá-los cabe à escola.

Atenção: às vezes o Ensino escolhe leituras demasiado pesadas para as mentes dos pequenos, o que pode mudar a sua ideia da leitura. Equilibrem isso ao comprar-lhes livros que realmente apreciam. 

Apresentem-lhes também o desenho e a pintura, Ponham desenhos seus no frigorífico, os petizes verão essa atitude como uma aprovação, sentido-se motivados a continuar.

Colorir livros também é uma boa forma de alimentar a imaginação. Assim conhecem bem as cores e estão em contacto com as formas e com o espaço. Fazê-lo em conjunto com os pais é divertido para os dois lados e desta maneira passam mais tempo com os vossos filhos. Moldar plasticina serve para o mesmo efeito. 

Se o relógio não colaborar convosco, peçam a um familiar ou amigo que os leve a dar um passeio a pé ou de bicicleta. Todos nós precisamos de ver o mundo à nossa volta para o conhecer.

Isto ensinar-lhes-á as regras do código da estrada, melhorará a orientação geográfica e dar-lhes-á uma sensação espantosa de liberdade. Perceberão assim que o mundo é grande e belo de imensas maneiras.

Expliquem sempre o vosso ponto de vista, quer seja na altura de repreender ou de instruir a fazer alguma coisa.  "Porque sim" e "porque não" são respostas péssimas para o desenvolvimento saudável, são desmotivadoras no que diz respeito a questionar. Quem não questiona é facilmente manipulado.

Além disso, questionar aguça a curiosidade, o que por sua vez é uma estrada que leva ao prazer de aprender. 

Estas são as minhas ideias para um bom fomento da mentalidade feminina. Há que haver indivíduos equilibrados para o mundo ser equilibrado. 

 

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=5ZgNodtqs7M

 

 

28/09/15

Eu Duvido!

por Olavo Rodrigues

Duvido!
Atrevo-me a dizê-lo com a maior ousadia: duvido!
Duvido deste poema, duvido de mim, duvido de duvidar.
Porque a dúvida está sempre presente.

 

Não duvidar é tomar algo como garantido.
E a garantia pode ser solo completo frágil,
Ao passo que a dúvida é solo inacabado resistente.

 

Visto que só sabemos que nada sabemos,

A certeza de que nada é certo merece também desconfiança.
Tudo é uma suposição, tudo são ramificações de uma estrada.
Olhamos para todos os lados e é possível

Que o conhecimento não passe de uma fachada.

24/09/15

Imortalidade? Para Quê?

por Olavo Rodrigues

Não concordo com este desejo que a humanidade tem e que se perde no tempo. Na minha opinião é sinónimo de dor constante.

Um indivíduo que fosse imortal estaria sempre a perder pessoas queridas, se sofresse um acidente que lhe causasse danos irreversíveis, passaria a eternidade em agonia profunda. Não me parece tão bom quanto isso.

Hoje em dia fala-se mais não de imortalidade, mas de vida longa. Muito longa mesmo, como 10 000 anos de existência.

Há cientistas empenhados neste projecto, contudo, creio que se o concretizarem, criarão um grande problema social, serão muitos anos a pagar reformas a pessoas inactivas. A nãos ser que também consigam aumentar a duração da juventude, mas mesmo assim não o considero uma boa ideia.

A vida já é dolorosa com esta esperança média de vida, sofreríamos mais se vivêssemos mais. Estou de acordo com uns 900 anos, mas só quando a civilização estiver mais evoluída.

24/09/15

Grão a Grão, Enche a Galinha o Papo

por Olavo Rodrigues

É sabido por todos que a energia deste mundo é negativa até à quinta casa. Isto faz os seus habitantes queixarem-se e sentirem-se infelizes com a realidade em que vivem. Mas se virmos o quadro desta perspectiva, podemos fazer grandes mudanças com pouco. 

Podemos aproveitar todas as oportunidades para fazer uma boa acção, tentar vencer a preguiça, elogiar os entes queridos todos os dias (vi esta última sugestão numa publicação de uma colega bloguista do Sapo, no entanto, é com grande pena que afirmo não me lembrar dos nomes da publicação e da autora), entre outros.

Não teremos êxito do dia para a noite, isso é certo, eu próprio ainda estou a progredir (sobretudo na parte da preguiça). Porém, quanto mais nos educarmos, mais fácil será o passo seguinte. E um aspecto interessantíssimo é que muitas vezes não nos apercebemos de que o defeito que apontamos ao outro está também em nós, uma vez que nem tudo o que fazemos é consciente, o ser humano é claramente uma criatura de contradições.

Para me explicar melhor, ponho este exemplo - imaginemos que um tipo não gosta de que lhe desarrumem as coisas sem voltarem a pô-las no sítio. No entanto, o tipo em questão faz o mesmo na casa dos outros, contudo, não arruma os objectos em que mexe porque se esquece.

Há um dia em que a personagem principal se depara mais uma vez com a desarrumação alheia e chama o autor para o repreender. O tipo que ouve do amigo, surpreende-se, dizendo ao outro que faz o mesmo. O primeiro sujeito fica de boca aberta e a reflectir no que lhe fora contado, pois é de facto verdade.

No fundo, o protagonista não gostava de que lhe desarrumassem os pertences sem devolvê-los ao devido lugar, porque simplesmente tinha esse defeito e inconscientemente, não gostava dele em si, daí também não gostar dele nos demais. 

Se tentarmos constatar estes acontecimentos, veremos que são verídicos. Por esta razão, devemos olhar para nós próprios antes de apontarmos o dedo a alguém, pois poderemos estar a ver o nosso reflexo. E a melhor parte desta descoberta é que fazer críticas aos outros (de uma maneira construtiva) é também uma melhoria para nós. 

Portanto, prezados leitores, avancemos um pouco de cada vez e transmitamos estes valores de geração em geração. Por causa dos maus ensinamentos da actualidade ou pela sua ausência, as crianças, os seres mais fascinantes da espécie humana, estão a perder a sua magia. Assim sendo, é provável que voltemos a um extremo rígido.

É frequente o tempo ou como já lhe chamei, "O Tirano", sugar-nos até ao tutano. Mas não há ninguém que amemos mais que os nossos filhos, por isso, incentivem-nos a largar a consola e a fazerem desenhos para pendurarem no frigorífico com um íman todo XPTO.

Chegaram cansados a casa com mau-humor a pingar de cada poro? Que se danem os problemas do trabalho! Isso tem de ficar no trabalho! Heeei!!! Vocês vão ver os vossos filhos!!! Quando chegarem a casa, acariciem-nos como se não estivessem com eles há um mês! Muitos beijinhos (que eles não gostam nada, eh, eh) e abraços. Não tenho filhos, mas acredito que um abraço dado por uma criança seja milagreiro, especialmente se nos chamar mãe/pai.

Individualmente, não mudaremos o mundo. Ou pelo menos não o faremos como gostaríamos. Entretanto, pode ser que com o tempo nos aproximemos do desejo que todos partilham amiúde - um mundo perfeito. 

https://www.youtube.com/watch?v=nbXgHAzUWB0

 

14/09/15

Estou Farto de Jogar, Vou Repousar

por Olavo Rodrigues

Às vezes gosto de olhar o céu estrelado e de entrar por ele adentro. 

Procuro um espaço vazio para criar a minha própria estrela e sistema planetário.

Não preciso de nave espacial, chego lá num instante só porque quero.

 

Consigo fazer tudo do meu pequeno canto na Terra, porque de mais nada preciso

A não ser relaxar e sonhar.

Ao fazê-lo, passo para a verdadeira realidade, a minha.

É verdadeira, pois é minha e eu sou tão verdadeiro como ela.

 

O mundo físico é apenas um jogo em que nos põem para testar as nossas capacidades.

O objectivo? Vingar na vida.

Mas muitas pessoas jogam-no com demasiada fervura,

Acabando por fazer estragos desnecessários e perdê-lo.

Quando voltam à verdadeira realidade,

Só têm consigo o enorme peso do negativismo que causaram.

 

Não deixemos que o jogo apague as brasas da nossa fogueira,

A sua manutenção preserva-nos para sairmos vitoriosos.

Para tal, há que regressar à terra natal e repousar um pouco.

Se nos portarmos bem, poderemos finalmente desfrutar do descanso como deve ser.

13/09/15

Estranheza por Desvendar

por Olavo Rodrigues

Sinto uma coisa estranha,

Não tenho a certeza do que é.

Será a vida? Como posso confirmar?

 

Existo, mas até que ponto?

É difícil saber, nunca encontrei os meus limites.

 

Eu vejo, creio.

Como também posso não estar a ver nada.

 

Sinto, mas não quero que seja mentira.

Não pode ser!

Eu não valho a pena quando rodeado de mentiras.

Porque sou verdadeiro... Todo eu.

Os meus pensamentos, as minhas dúvidas, a minha essência.

 

Quanto ao resto, permanece um mistério.

Haja forma verdadeira de o desvendar!

09/09/15

Nostalgia

por Olavo Rodrigues

É o universo de prazer que já não se tem, 

Mas que ainda se saboreia.

Pois é real como o que ainda podemos tocar.

Um holograma eterno que não se desvanece.

É feito de átomos do coração,

Para depois desabrochar no jardim das memórias douradas.

A nostalgia, ao contrário das recordações negras, nunca fica fria.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Estatísticas Detalhadas

UA-77383280-1

Arca

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por correio electrónico

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.